Introduction: Viral infections, such as infection by SARS-CoV-2, can affect gait biomechanics, but this effect can be overlapped by consequences of critical illness and time in intensive care unit. Objective: To report biomechanical alterations during the clinical evolution of a post-COVID-19 patient who presented severe motor impairment after intensive care. Methods: Data was collected from the patient’s chart at José Silveira Foundation and previous medical reports from the hospitalization period. The patient was wheelchair bound, with physiotherapy twice a week, and by the end of 1-year follow-up was able to walk independently. Three-dimensional gait analysis with kinetics and electromyography were conducted at three time points. Results: All spatiotemporal gait parameters, kinematic, kinetic and electromyographic data was importantly altered when compared to the normal range of values. With physiotherapy, gait quality indicators showed important improvements and all muscles presented a significant increase in the magnitude of the electromyographic signal (at least a two-fold increase). Trunk kinematic alterations decreased significantly during this period. Kinetic and kinematic changes perceived in the hips, knees and ankles showed approximation to the expected pattern, however still without normalizing, and patient’s muscle coordination improved over time. Conclusion: This report has great clinical importance, as it describes, using an instrumented gait laboratory, the evolution of a patient with severe motor impairment post intensive care due to COVID-19, a condition in lack of description in the literature, which will help health professionals in the planning of rehabilitation strategies.

Keywords: Critical illness patient. COVID-19. Gait biomechanics. Polyneuropathy.

Resumo

Introdução: Infecções virais, como a infecção por SARS-CoV-2, podem afetar a biomecânica da marcha, mas esse efeito pode ser sobreposto por consequências de doença crítica e tempo em unidade de terapia intensiva. Objetivo: Relatar as alterações biomecânicas durante a evolução clínica de um paciente pós- COVID-19 que apresentou comprometimento motor severo após terapia intensiva. Métodos: Os dados foram coletados a partir do prontuário do paciente na Fundação José Silveira e dos relatórios médicos anteriores referentes ao período de inter-nação. O paciente estava em cadeira de rodas, com fisioterapia duas vezes por semana, e ao final de 1 ano de acompanhamento era capaz de deambular de forma independente. A análise tridimensional da marcha com cinética e eletromiografia foi realizada em três momentos. Resultados: Todos os parâmetros espaço-temporais da marcha, dados cinemáticos, cinéticos e eletromiográficos estavam significativamente alterados quando comparados com a faixa normal de valores. Com a fisioterapia, os indicadores de qualidade da marcha apresentaram melhorias importantes e todos os músculos apresentaram um aumento significativo na magnitude do sinal eletromiográfico (aumento de pelo menos duas vezes). As alterações cinemáticas do tronco diminuíram significativamente neste período. As alterações cinéticas e cinemáticas percebidas nos quadris, joelhos e tornozelos mostraram aproximação do padrão esperado, porém ainda sem normalização, e a coordenação muscular do paciente melhorou com o passar do tempo. Conclusão: Este relato é de grande importância clínica, pois descreve, por meio de um laboratório de marcha instrumentado, a evolução de um paciente com comprometimento motor severo após terapia intensiva por COVID-19, quadro pouco descrito na literatura, o que ajudará profissionais de saúde no planejamento de estratégias de reabilitação.

Palavras-chave: Paciente crítico. COVID-19. Biomecânica da marcha. Polineuropatia

  • Data de Publicação:
  • Autores: