A Fundação José Silveira (FJS), por meio do Instituto Brasileiro para Investigação da Tuberculose (IBIT), realizou, entre os dias 23 e 27 de março, uma série de ações para celebrar a passagem do Dia Mundial de Combate à Tuberculose (24). Foram promovidas palestras, sessão científica, distribuição de materiais informativos e busca por sintomático respiratório, além de outras atividades extra-muro. Durante uma sessão científica especial, houve a assinatura do Termo de Pesquisador Visitante, no qual o primeiro pesquisador será Dr. Sérgio Arruda, da Fiocruz.
O presidente da Rede Brasileira de Pesquisas em Tuberculose (Rede-TB), Dr. Afrânio Kritski destacou a representatividade do IBIT: “esta casa está sempre promovendo discussões científicas e é de suma importância expandir esse conhecimento”. Segundo a superintendente da FJS, Leila Brito, a reestruturação do Centro de Pesquisa da FJS “atraiu novos parceiros institucionais, a exemplo da RedeTB, Fiocruz, CNPq, entre outros. Temos confiança que agregaremos muitos mais, para continuar investigando e combatendo a tuberculose”.

Trajetória de sucesso
A história do Professor José Silveira e o trabalho realizado no IBIT foram destaque no Seminário “Tuberculose: o que há de novo?”, realizado na Associação Baiana de Medicina (ABM). A atuação do IBIT foi abordada em palestras e em uma exposição fotográfica alusiva aos 78 anos da instituição. “Graças ao trabalho visionário de José Silveira, a sociedade hoje conta com um centro de referência em tuberculose, extremamente eficaz no combate e tratamento da doença”, afirmou Dr. João Carlos Coelho Filho, coordenador técnico-científico do IBIT, após lançar, durante o evento, o Prêmio Maria Theresa de Medeiros Pacheco.

De acordo com o pesquisador responsável por projetos de pesquisa na área de Infectologia do Centro de Pesquisas da FJS, Dr. Eduardo Martins Netto: “mais do que uma unidade com um índice elevado de cura, o IBIT desenvolve novas estratégias para tratar a tuberculose”.