Cuidar da saúde e promover qualidade de vida de toda a sociedade. Inspirada e comprometida com essa missão, a Fundação José Silveira (FJS) realiza, desde 2016, o atendimento a pessoas para diagnóstico e tratamento do câncer de mama. Um problema de saúde pública, que atinge mulheres e homens – a população masculina representa em média 1% do total de casos – cuja incidência nas mulheres aumenta com a idade, sendo a maior parte dos casos identificados a partir dos 50 anos1.

O Serviço de Oncologia da Santa Casa Hospital São Judas Tadeu – FJS, em Jequié, foi implantado em março de 2016, com prestação de assistência à saúde a mais de 250 mulheres e homens, de Jequié e microrregião, com atendimentos voltados para o diagnóstico e tratamento do câncer de mama. São cidadãos de mais de 21 municípios beneficiados por esse serviço.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer – INCA1, o câncer de mama é a primeira causa de morte por câncer na população feminina em todas as regiões do Brasil, exceto na região Norte, onde o câncer do colo do útero ocupa o primeiro lugar. O Instituto estima a ocorrência de 704 mil casos novos de câncer no Brasil para o triênio 2023-2025, e o câncer de mama feminina é o que apresenta maior incidência com 73 mil casos novos2. A Bahia, segundo estimativas para o ano de 2022, foi o estado da região nordeste com maior número de casos, deste tipo de câncer, identificados (N 3.460), com taxa de 43.84 (número de casos novos por 100.000 mulheres do estado)1.

Os dados apresentados, além de expressarem a magnitude deste grave problema de saúde pública, demonstra a urgência de investimento e desenvolvimento de ações voltadas para a prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama. O Serviço de Oncologia da Santa Casa Hospital São Judas Tadeu – FJS foi criado para contribuir no combate à morbimortalidade por câncer de mama, especialmente em mulheres que vivem nas regiões com mais difícil acesso a assistência à saúde especializada.

A Organização Pan-Americana de Saúde – OPAS/OMS3 afirma que o câncer de mama é o que mais mata mulheres no mundo, e que o diagnóstico antecipado e o acesso ao tratamento são as ações mais eficientes para reduzir o sofrimento e a morte precoce de pessoas com câncer. No entanto, reconhece que o acesso ao serviço diagnóstico – com o suporte de exames de imagem, laboratorial e patológico – é um dos principais problemas para o combate a esse tipo de câncer. Além disso, ressalta que, após o diagnóstico, o acesso ao tratamento de forma precoce é essencial, porém, aspectos como localização do serviço de saúde, distância em relação ao município de residência do paciente e os custos com deslocamento para realização do acompanhamento, se apresentam como entraves para que o paciente inicie e dê seguimento ao tratamento da doença3.


FONTE: dados da Santa Casa HSJT – FJS.

Como pode ser observado no gráfico acima, o Serviço de Oncologia prestou assistência a pacientes que residem em municípios localizados a até 90 km de Jequié – em média 1hora e 15 minutos de condução para realização do tratamento. Caso necessitassem de deslocamento até Salvador, para acesso a assistência especializada, alguns pacientes teriam que percorrer mais de 350 km de estrada, o que poderia comprometer significativamente a continuidade do tratamento – que requer procedimentos frequentes, exigindo o extenso deslocamento da paciente de forma constante e com custo financeiro elevado – e a eficácia de seu resultado.

Esse recorte contextual da realidade de mulheres que tiveram acesso garantido a assistência oncológica na Santa Casa HSJT – FJS, demonstra com precisão porque estudos afirmam que o câncer de mama no Brasil é um problema de saúde pública que exige superação de barreiras físicas, sociais, econômicas e psicológicas4.

O serviço de oncologia da Santa Casa HSJT – FJS, foi implantado em alinhamento com o retrato apresentado pela OMS e suas ações assistenciais contribuem para o alcance dos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS-ONU), especificamente o ODS 3, que visa garantir o acesso à saúde de qualidade e promover o bem-estar para todos, em todas as idades5. A meta de reduzir, até 2030, em um terço a mortalidade prematura por doenças não transmissíveis via prevenção e tratamento5, inclui as ações de saúde voltadas para o diagnóstico e a assistência às pessoas com câncer de mama.


FONTE: dados da Santa Casa HSJT – FJS.

Na Santa Casa HSJT – FJS, dentre os procedimentos realizados pelo serviço ambulatorial estão: consulta com mastologista e encaminhamento para acompanhamento com oncologista, quando o diagnóstico do câncer de mama é confirmado; realização de exames diagnóstico (imagem, laboratorial e patológico); acompanhamento pela equipe de enfermagem e psicologia; e, realização de quimioterapia e hormonioterapia. Até o ano de 2023, foram realizados mais de 17.579 procedimentos neste serviço.


FONTE: dados da Santa Casa HSJT – FJS.

Além do tratamento quimioterápico, com financiamento filantrópico da FJS, foi realizada distribuição de hormonioterapias, punção, exames laboratoriais e de imagem por meio da parceria com a gestão pública (SUS). É por reconhecer a contribuição do Serviço de Oncologia da Santa Casa HSJT para a concretização de políticas públicas que objetivam promover saúde e qualidade de vida para a população, que a gestão estratégica FJS prioriza o investimento em ações filantrópicas com esta finalidade.

A realização de consultas, exames diagnósticos e tratamentos (quimioterapia e hormonioterapia) por profissionais com atuação técnica, ética e empática, é mais uma marca da qualidade desse serviço reconhecida pelas pacientes que são assistidas na unidade.

“No momento mais difícil de minha vida eu fui acolhida, abraçada e amparada pela Santa Casa de Jequié. Em novembro de 2022 eu comecei um tratamento de quimioterapia sendo concluído em maio de 2023. Chegando lá eu imaginei que iria encontrar uma equipe, mas, para minha surpresa, eu encontrei uma família, que me amparou, me abraçou, que cuidou de mim e que se preocupou comigo. Desde a recepção até o centro oncológico. Eu tive acompanhamento de psicólogo, assistente social, dois médicos oncológicos. Conforto, higienização e medicação em dias. Tudo isso que fizeram por mim e demais pessoas, não tem preço. Agradeço a Deus pela existência do serviço de oncologia da Santa Casa de Jequié, por facilitar as nossas vidas, porque não é fácil passar por um tratamento desse e ter que lidar com a distância. Meu coração hoje é só gratidão, a Deus e à família da Santa Casa de Jequié.” (Paciente Marilza Marinho Santos, Ipiaú)

“Fiz 24 sessões de quimio, fiquei 9 meses na Santa Casa de Jequié. Agradeço a Deus pelos profissionais maravilhosos, médicos, enfermeiros, recepcionistas, toda a equipe foi muito carinhosa e um ambiente higienizado. Tive um bom atendimento em Jequié e um tratamento muito tranquilo. Para a gente se deslocar daqui pra Salvador seria muito longe e muito cansativo, aqui é uma benção. Agradeço a Deus por esse tratamento que deve continuar, para quando a gente precisar já saber para onde ir.” (Paciente Maria Vitória Silva de Lira, Manoel Vitorino)

“Excelentes profissionais e pessoas. Tudo limpo e organizado. Ótimo atendimento e me acolheram na hora que eu mais precisava.” (Paciente Joselito Pereira de Oliveira)

“Eu estava fazendo tratamento oncológico em Conquista, mas as pessoas me diziam que tratamento da Santa Casa de Jequié é ótimo, por que você não faz lá? E eu vim. Fui
muito bem atendida, as meninas da recepção me atenderam muito bem. Não tem coisa melhor no mundo do que pode fazer o tratamento aqui na Santa Casa de Jequié, é perto da minha casa, tudo fácil, quimioterapia, medicamentos. As enfermeiras são um amor, as secretárias e médicos são maravilhosos. Que Deus abençoe todos os funcionários e que todos sejam felizes assim como eu sou feliz. Eu quero meu bem e aqui eu recebi o meu bem, a minha vida.” (Marli Oliveira Melo, Jequié)

“Acolhi muitas pacientes no serviço de oncologia, sempre tentando animá-los e explicando que as dificuldades fazem parte do processo, mas, que o importante é não desistir. E é muito gratificando, quando encontramos pacientes curados, saber que fazemos parte desse sucesso. O carinho e o reconhecimento dos pacientes também são muito gratificantes.” (Luciana Almeida Cafezeiro, técnica de enfermagem do Serviço de Oncologia)

“Estou há um ano atuando no Serviço de Oncologia da Santa Casa de Jequié e, durante esse tempo, presenciei a descoberta de muitos diagnósticos do câncer de mama. É unânime o medo, a sensação de sentença de morte, de mutilação do seu corpo e, nesse momento eles são acolhidos pela equipe, são orientados e participam de todo planejamento terapêutico. A principal preocupação das mulheres é o medo de perder o cabelo, a baixa autoestima, o medo de instabilidade no relacionamento conjugal, de deixar seus filhos.” (Inalilia Figueiredo Alves, enfermeira do Serviço de Oncologia)

As histórias de Marilza, Maria Vitória, Joselito e Marli são somadas às experiências de mais 150 pacientes que estão sendo assistidos pelo serviço neste momento.

A qualidade do tratamento oncológico prestado, também está associada ao olhar sensível e humanizado da equipe multiprofissional que atua no serviço. Cientes do abalo psicoemocional que o tratamento pode desencadear nas mulheres com o avançar dos procedimentos, especialmente em virtude da queda de cabelos, os profissionais mobilizaram voluntários da área de estética (manicures e cabeleireiras) e escolas, e construíram uma forte parceria comprometida em elevar a estima das mulheres em tratamento. Como resultado, as pacientes receberam cuidados especiais com as unhas, ganharam lenços e perucas que foi um importante suporte para que elas elevassem sua autoestima, ressignificassem de forma positiva a fase que estavam vivendo e não abandonassem o tratamento. Uma simples e significativa contribuição para que mais uma barreira fosse superada no combate ao câncer de mama.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Vigilância e Análise de Situação. Dados e Números sobre o Câncer de Mama. Relatório Anual 2022. Rio de Janeiro: INCA, 2022. Disponível em https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/dados_e_numeros_ site_cancer_mama_setembro2022.pdf Acesso em setembro/2023.
  2. BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Vigilância e Análise de Situação. Estimativa de Incidência de Câncer no Brasil, 2023-2025. Revista Brasileira de Cancerologia. Rio de Janeiro: INCA, 2023. Disponível em https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/3700/2644 Acesso em setembro/2023.
  3. Organização Mundial de Saúde. Organização Pan-Americana de Saúde. Diagnóstico precoce do câncer de mama salva vidas e reduz custos de tratamento. [Internet], 2017. Disponível em https://www.paho.org/pt/noticias/3-2-2017-diagnostico-precoce-do-cancer-salva-vidas-e reduz-custostratamento#:~:text=O%20ODS%203%20tem%20a,em%20um%20ter%C3%A7o% 20at %C3%A9%202030. Acesso em setembro/2023.
  4. BRASIL. Fundação Osvaldo Cruz. O câncer de mama no Brasil: um problema de saúde pública que exige superação de barreiras físicas, sociais, econômicas e psicológicas. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP). [Internet], 2011. Disponível em https://dssbr.ensp.fiocruz.br/o-cancer-de-mama-no-brasil-um-problema-de-saude-publica-que-exige-superacao-de-barreiras-fisicas-sociais-economicas-e-psicologicas/ Acesso em setembro/2023.
    Organização das Nações Unidas. Nações Unidas Brasil. Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 3 – Saúde e Bem-estar. [Internet], 2023. Disponível em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/3 Acesso em setembro/2023.
  5. BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Vigilância e Análise de Situação. A situação do câncer de mama no Brasil: síntese de dados dos sistemas de informação. Rio de Janeiro: INCA, 2019. Disponível em https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//a_situacao_do_cancer_de_mama_no_brasil.pdf Acesso em setembro/2023.